sábado, 13 de outubro de 2012

You Raised Me Up

Tenho andado muito afastada do blog, do mundo, de mim mesma; mas decidi deixar os meus pensamentos fluírem, desocuparem a minha cabeça e finalmente pude ver aquilo que estava mesmo à minha frente.

Por vezes estamos tão focados na nossa culpa que não conseguimos compreender que não temos razão nenhuma para a sentir. Porque a maior parte das vezes a culpa só vive dentro de nós porque a deixa-mos instalar-se lá, e as razões estavam fora do nosso controlo. Mas seja porque motivo for, deixamo-nos enterrar nessa culpa e recusamo-nos aceitar a realidade.


source: http://services.flikie.com/view/v3/android/wallpapers/33575019

Hoje encontrei uma composição que escrevi ao meu pai (fica aqui referenciado que sempre que falo no meu pai falo do meu avô, porque ele é, e sempre será, o meu único e verdadeiro pai), uma composição que tinha escrito no terceiro ano; e que dizia qualquer coisa como isto: "Recordações: À uns dias atrás, eu e o meu avô fomos à nossa casa, que está a ser restaurada, e encontramos a lousa que ele usou quando andava na escola. E ele deu-ma e disse-me: "Nunca a percas, é muito importante para mim e eu quero que aprendas com ela"".

E mal dou por mim tenho 8 anos de novo e estou sentada com o meu avô a resolver problemas de matemática na lousa que ele me deu, e ele inventava mais contas porque eu adorava resolvê-las sozinha. E sempre foi assim com tudo, sempre quis aprender depressa e mais; e ele estava sempre lá a corrigir-me e a ensinar-me, na sua velha lousa escolar. A passear pelo jardim e a aprender o nome das árvores, dos frutos e das flores. A dar-me os primeiros livros que li na vida, sobre como me preparar para a adolescência (tinhas sempre tudo pensado :P); livros que até hoje guardo religiosamente na minha estante já bem constituída.

E agora estou eu a chorar, ao contemplar a velha lousa ainda bem conservada, lembrando-me de tudo o que ele me ensinou. Como ele me criou para eu ser o melhor que eu posso ser, no futuro. E aquela raiva misturada com angústia, tornou-se numa pequena chama de saudade e recordação no meu peito, aquele sentimento de conforto numa memória boa.
Hoje pela primeira vez chorei de felicidade por ti pai, porque sempre pensei que não era o suficiente para ser amada por ninguém, e toda a tua vida deste-me e ensinas-te-me o que é: o amor incondicional.

Tantas vezes me senti só e incompreendida, mas tu tinhas um jeito de me entender e me confortar, que é inexplicável, não consigo pô-lo em palavras, porque tu não necessitavas delas. Não sei se alguma vez mo disseste, mas eu sei que tu me amaste desde o momento em que nasci, e por mais asneiras que eu fizesse e por mais difícil que eu fosse, tu nunca deixas-te de sentir amor por mim, e nunca nunca desistis-te de mim.

Tive a maior riqueza do mundo, e só me apercebi dela agora que não estás aqui. Mas o meu coração sente-se amado e eu sinto que estás sempre comigo e que um dia criarei memórias assim com a minha família, e tu nunca estarás longe. Tu ensinaste-me tudo, tu ensinas-te-me a viver! Deste-me as instruções, mas só agora compreendi.
Não existe amor maior que um pai por uma filha, e uma filha pelo melhor pai do mundo.
Ensinaste-me a não me esconder da vida, e eu vou viver pelos dois :)



There is no life - no life without its hunger;
Each restless heart beats so imperfectly;
But when you come and I am filled with wonder,
Sometimes, I think I glimpse eternity.

You raise me up, so I can stand on mountains;

You raise me up, to walk on stormy seas;
I am strong, when I am on your shoulders;
You raise me up: To more than I can be.

Because love never dies... Each day I love you more and more, you live inside my heart forever ♥ my true and only father, my friend, my undying love....