sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Reflexo

Por vezes sinto que estou a seguir o meu caminho, que estou a fazer a coisa certa. Sinto-me mais eu, sinto que me compreendo que todo o mundo me compreende.

Mas por vezes sinto-me perdida, naquele lugar onde estava a minha cabeça há tanto tempo atrás, onde eu me sentia segura - o meu mundo.... E nele tudo é perfeito porque as regras são minhas e não existe mais ninguém, por isso nada me pode magoar... 

Por vezes deixo alguém dar uma espreitadela no meu mundo, por vezes abro-lhes a porta e deixo-os morar lá dentro.... Sinto-me segura, sinto-me mais real, sinto-me protegida e amada, tudo é para mim, eu sou o número um, não há lugar para mais ninguém...
Por vezes não consigo abandonar o meu mundo mas sou abandonada lá, e olho-me ao espelho e não me reconheço - aquele reflexo é de uma outra pessoa qualquer que não sou eu... Mas eu detesto essa pessoa, essa pessoa faz-me lembrar de um outro mundo onde existem pessoas reais e felizes, um mundo onde eu não pertenço... 

Não, eu prefiro o meu mundo... Aqui eu sou alguém, eu encaixo... Mesmo que seja feito por mim, desenhado e cortado por mim... Mas é meu.. E mesmo que me abandones lá eu não saio, prefiro viver na sombra do meu reflexo ao invés de enfrentar a sua verdadeira forma, porque a dor é insuportável... Não, não dá para mais ninguém... Este mundo deveria estar fechado para toda a gente, porque é só meu... E quando lá estou ninguém mais existe, a dor não existe, nada mais existe, a não ser a sombra de mim... 

Tapo o espelho porque não aguento a memória daquele reflexo cansado, esgotado, castigado pela vida... Não, vou esconder-me no meu mundo e não sentir mais nada... Porque sentir é viver e eu não sei viver, não suporto sentir, não consigo sonhar, não posso continuar, estou na ponta do precipício... Mas não sou eu, aquele é o meu reflexo e dele já não me importa o futuro ou o presente... Estou no meu mundo ninguém me pode dizer que estou errada, porque não existe ninguém...