domingo, 17 de junho de 2012

Quem sou eu?


“I never change, I simply become more myself.” Joyce Carol Oates
*“Eu nunca mudo, apenas me torno mais eu mesma”

É uma questão que me persegue desde que eu me conheço, e com certeza é o caso de muitas pessoas. Quem sou eu? Será que estou a ser fiel á minha essência ou estou apenas a tentar moldar-me á imagem da sociedade? O que está certo ou errado? Que caminho devo seguir? Quero ser original, eu mesma, ou quero tornar-me numa mancha indistinta na multidão?

Mas depois há uma altura na vida em que somos obrigados a decidir qual é o caminho que queremos seguir, ou acabamos por perder-nos na sombra da multidão que nos rodeia.  

Devo dizer-vos que não é fácil sermos nós próprios, principalmente quando aquilo que somos foge ao “normal”. As pessoas olham-nos de lado, atacam-nos anonimamente - por trás de perfis de Facebook, Messenger ou E-mail (qualquer coisa onde se possam esconder) – onde descarregam as suas frustrações em pessoas que não conhecem e ás vezes nas que conhecem - tentando deitar-nos abaixo, fazer-nos sentir estranhos, anormais, “errados”. E depois acabamos por ceder a estas pressões para sermos normais, e enfiamo-nos no nosso cantinho suprimindo tudo o que somos bem dentro de nós, esperando que ninguém repare que somos seres diferentes. Porque somos jovens, porque queremos pertencer a um grupo e não queremos estar á margem da “sociedade” que conhecemos.

E isto pode afectar-nos em todos os sentidos, e acabamos presos num círculo vicioso de fazermos exactamente tudo o que não queremos e não gostamos! Este é um momento de reflexão, para mim e para vocês. O que é que vocês querem ser? Quem é que vocês querem ser?

(…)
 
Só posso falar por mim, não é fácil tentar seguir o teu próprio caminho, principalmente se é diferente da escolha daqueles que consideras amigos. Mas há coisas que devemos lembrar-nos: quem é verdadeiramente nosso amigo vai entender e apoiar-nos, quem não o é, não necessitas dessas pessoas na tua vida! Rodear-nos de pessoas positivas é o primeiro passo.

Manter-nos fiel a nós próprios, sermos justos, humildes, mas sermos capazes de defender com toda a força as coisas em que acreditamos e nunca deixar que ninguém nos convença que estamos errados. Temos a liberdade de acreditar naquilo que queremos, e dizer aquilo que pensamos e fazer aquilo que quisermos – desde que nunca ultrapassemos a liberdade de ninguém – SOMOS LIVRES!


Tu és a chave! Sê a mudança que queres ver no mundo!
 
Tu é que decides o que queres ser, quem queres ser… O caminho para a felicidade é sempre o mais difícil, o que tem mais obstáculos, o que demora mais tempo, o que parece mais escuro e solitário. Mas quando fazes as escolhas que realmente ambicionas, acabas por encontrar o caminho certo para a serenidade e a paz interior. Mesmo que estejas sozinho, vale a pena! Não o posso garantir - eu própria estou a seguir o meu caminho “obscuro” - mas tenho esperança que melhores dias virão.

Não te deixes guiar pela raiva, pelo ciúme ou inveja ou nenhum desses sentimentos sem valor; aprende a ser humilde e a instruir-te com quem sabe e assim melhorares-te a ti mesmo, temos a vida toda para aprender! Isso é fabuloso, a oportunidade que é dada a cada um de nós!

Não julgues, não apontes o dedo, não atires pedras (todos temos telhados de vidro) – isso só traz negatividade para a tua vida.

Vive as experiências com intensidade, foca-te nas coisas que te fazem feliz porque isso é que vale a pena, e apaga esse ruido de fundo que te diz “sê normal”. Sê quem tu queres ser! Escolhe o teu caminho, mesmo que parece impossível, nada é impossível! E deixa espaço livre para as pessoas boas, as oportunidades boas e as experiências boas entrarem na tua vida, livra-te do que está a mais, do que te faz recuar, do que te impede de ver a realidade.

Mas acima de tudo ajuda o próximo, não desistas em quem nunca desiste de ti, aprende a dar valor às pessoas que te amam de verdade. E um dia vais atingir os teus objectivos, ou talvez os teus objectivos mudem no caminho – mas o que importa no fim, é ser FELIZ. Não desistas! 

E se um dia sentires-te fraquejar lembra-te pelo que estás a lutar, a vida passa demasiado depressa e quando deres por ela já está quase no fim, não percas a oportunidade de fazer o que gostas, o resto é supérfluo o que prevalece é o que fizeste de bom. 



E eu estou aqui para quem precisar de um ouvinte ou de um amigo. Sejam felizes.


As imagens são de outros sites, se estiver a infringir direitos de autor avisem que eu retiro, obrigada